Sunday, December 2, 2007

La Pisseuse

Facto: Jane Birkin vestia calças da tropa macaca com dois bolsos laterais em cada uma das suas pernas, uma blusa de algodão com decotado generoso preto. No início esperneou e em gesto reflexo chamou a público Sergei Gainsbourg, quando ele se enrolava com ele a um rito, dois por dois, as suas palavras ganhavam formato de gemido que ecoava em francês e em inglês. E o som é sustenido por três multi-instrumentistas virtuosos, que dedilham a harpa e cravavam ao piano de cauda preta melodias num requebro de puberdade, estes lampejos, por vezes inconsequentes outros perfeitos, a equação pendia eminentemente para o defeito. Assoma-se do seu rosto um sorriso grafitado para contrair os contornos do passado: «Vous parlez, français, englais?» Resposta de um cagareu: «Français, français, français» ; « Mon fils il m’a trouvé à chanter une chanson, de Caetano Veloso, il ma dit: maman: tu chantais en japonais?»; «Non mon fils, en portugais. Ahahah! Caetano Veloso il l’a chantée pour moi, ahahah». E a conversa multiplica-se, saem pessoas do Teatro Aveirense, povoado por saudosistas rendidos ao desbarato e inebriados por uma beleza de alma ausente que devaneia pela plateia a cantar uma história de amor esvazio. No palco equilibra-se nas sapatilhas pretas e coloca uns óculos transparentes e tenta acompanhar a banda, pôr mão nos desordeiros, «leaõazinho, leaõazinho», a cacofonia roça uma língua entrelaçada com a de Gainsbourg, numa lição de anarquia a galope, o desastre é conseguido. Por vezes tenta retirar dos bolsos as mãos ou dançar, mas as luzes que perpassam a cenografia de bordel de Pigalle, espalham-se pela memória de Gainsbourg: «je t´aime, moi non plus.»

Jane Birkin, Festival Sons em Trânsito, Teatro Aveirense 30 de Novembro