Wednesday, July 4, 2018

Performance Art: From Futurism To The Present

A luta percorre o subsolo que provoca a subida da temperatura se o centro arrebentar espumar-se-á em lava branca e manchará as rochas negras testemunho de que há passado e presente e futuro concentrados no interior de uma redoma de látex e a comparação é equiparar-se a um como sem como numa frieza que endoidece a luz que procria maravilhas num assalto como uma violação perpetrada por um petrarquista revoltado com as cores agrestes de uma esfinge que finge ser esfinge latina americana a decompor-se estação do ano após estação do ano à superfície da Terra em perpétua mudança subtraindo o perecível e arquitectando outras paisagens produzidas para seduzir quem as observa ao microscópio e contrariadamente na sua pequenez parece tão micros que se julgam macros organismos talvez se alguém os institua a uma outra dimensão e lhes outorgue um outro propósito talvez se ergam do subsolo como a lava de esperma que iniciou este testemunho anti-crónica e de palavras pró-cónicas; o Salão Brazil apresenta as Raincoats para uma noite que encontra a sala lotada antes surge no palco Ana Silva que anuncia algo como isto que vai subir ao palco o filho de uma das suas companheiras e o rapaz deve ter uns quinze anos e somente com a guitarra eléctrica estrutura as canções que são alegres e remetem para o universo próprio de um adolescente e há ainda a destacar o seu timbre que é adocicado digno de quem ainda tem resquícios da voz de quando ainda era criança com uma desenvoltura advinda de uma confiança estranha para alguém tão imberbe pena que não haja uma maior diferença melódica de canção para canção mas é uma surpresa deveras agradável; que se enrolam e se misturam com as serpentes que serpenteiam para abocanhar o mar que há no mar as nereidas que inspiram os ventos envenenados se flutuam à espera de uma onda que lhes dê a mão para o fundo do fundo onde ficarão sepultadas ao lado dos poetas que escolheram uma falésia para se atirarem em definitivo a um leito que em tudo não se assemelhava ao útero materno viscoso e quente ligado à corrente por um cordão umbilical e as escadas rolantes que se enrolam e desenrolam sobre as casas ou castelos com virgens antropomórficas cantam aos trovadores que perderam a voz num duelo em que de um lado estava a vida e do outro Dada que provoca uma desordem no contexto de uma vivenda ocidental no cimo a bandeira de costas ensanguentadas a origem de um progresso em nome de um outro vulgar ou não Cabaret Voltaire e há pernas a saltitar figuras de máscaras incólumes que se disputam para existirem para além do futuro num libreto de aniquilação do teatro naturalista onde pastavam vacas e jumentos em casas com estábulos e lareiras a crepitar por paciência para com o tempo real fruto de tanta intempestiva regressão; os cabeças de cartaz são três senhoras e esta descrição deve-se ao facto de duas aparentarem se aproximarem da terceira idade mas tal é discriminado para realçar que o rock ou a pop não são exclusivo de jovens para jovens algo que nos fazem acreditar diferentes agentes culturais criando dessa forma um preconceito para quem ainda é válido em cima de um palco e as suas canções têm diversas linhas mestras como por exemplo uma economia de instrumentação que se resume à harmónica e às guitarras e ao baixo eléctrico e a um violino e à utilização das vozes em harmonias quentes aliás que paradoxalmente não se fundem à rudeza dos acordes das guitarras mas que encontram cumplicidade com a violinista e o balanço melódico é desenhado como que a permitir ao ouvinte fazer uso do seu pensamento formal para construir a sua canção e ainda é-lhes característico a inexistência de um refrão e este ponto é importante porque revela que não estruturam as suas canções segundo um cânone conhecido pelas massas e as letras têm diversos temas existencialistas um dos quais é o feminismo das quais são dignas representantes; abre-se o pano e sai o coro de poemas malditos porque amaldiçoam os presentes e os ausentes que se divertem com o caos e incrédulos derramam ruídos de bois com o cio e os agentes da autoridade expulsam os actores das suas personagens mas a revolução há muito que começou desde que se incendiaram as pálpebras e os sonhos passaram a ser de todos os que aspiravam a um caos similar à origem do Mundo descrito num livro de contas com iluminuras em que Adão e Eva disputavam os frutos proibidos e trocavam de corações que eram meros metrónomos que marcavam o ritmo de uma melodia sem refrão que repetida era um uivar irrepreensivelmente belo de tão desconcertante e o silêncio é somente uma utopia ou uma ideia que por vezes comporta o vazio que somente os futuristas conhecem pormenorizadamente através da análise da sua substância de fluxo incoerente e a partir da qual inscrevem um auto de fé onde transformam em cinzas o passado.

The Raincoats, 3 de Julho, Salão Brazil, Coimbra.

Em memória do Ricardo Camacho.

Sunday, July 1, 2018

Poesia e Metafísica

Não sonhes com as montanhas a desmoronarem-se talvez se te permitires poderás regar as plantas com café e não desesperes se o pé cresce e te impeça de calçar o sapatinho de ballet e é por isso que não queres crescer como as flores que regas com chá porque é mais chique fico triste com esta discriminação sabes que as pessoas querem ouvir sempre a mesma canção para recordarem os tempos em que eram felizes por instantes que se dissipavam instantaneamente e se escreveres um romance de cordel vê antes as novelas da TV onde poderás encontrar a inspiração para a história em que a personagem principal é uma menina que sonhou dançar ao lado de cisnes e de girafas embriagadas que espreitam pela janela e assobiam à lua grávida de milhares de anos e o pai tem o ADN da Terra única com vida no céu e na terra; as Señoritas são duas mulheres que ultrapassaram a meta dos quarenta a Sandra Baptista subiu há vinte e seis anos a um palco com os Sitiados já Maria Antónia foi a voz da Naifa e o ponto de ligação entre estas foi o malogrado João Aguardela e há sensivelmente um par de anos emanciparam-se e editaram “Acho Que É Meu Dever Não Gostar” e no Stereogun em Leiria têm como centro o recente “As Saudades Que Eu Não Tenho”; e não acredites que as pedras da calçada ficam pedradas com a tua passagem de nenúfar e se acenderes as luzes das tuas pálpebras verás com exactidão o contorno da luz sobre os corpos que se obstaculizam à tua passagem e nesse percurso meditativo elimina as vezes em que te alimentavas de um exibicionismo abjecto ou que repetias cenas sucessivamente cenas sem sentido ou direccionadas para surpreender os outros com a tua utilidade de bem cativo a um brilhantismo inexistente não chores meu amor porque a tristeza é exclusiva dos pobres dos portugueses; e as suas canções revelam-se através do fado mas não o seu decalque antes a sua evocação muito por culpa do timbre da Maria Antónia Mendes e em que ressalvam uma dor desmedida provocada pela perda ou o perder-se ou a derrota perante a inesgotável passagem do tempo se há um esgravatar com elegância neste género popular urbano não predomina o respeito antes a sua dissolução numa contínua tensão e as letras versam a crença pela religião católica misturada na alma dos portugueses e este primeiro bloco ainda deriva do álbum anterior e que é executado sobriamente; e não procures o sapatinho que perdeste numa noite de sexo com uma abóbora e te tornaste num anjo papudo igual aos que decoravam os lençóis e a tua companheira numa princesa com castelos e montes e rios e com falo de plástico para te aparafusar à parede como um urinol assinado pelo Duchamp e ficarás exposta num museu do século passado envolta numa redoma de vidro para evitar que os fundamentalistas religiosos te cuspam ou te mijem para a boca e se não é suficiente elevar-te a obra de arte é porque a tua satisfação é sucessivamente deglutida quando escolhes um espelho em que és linda mesmo que tal seja mentira; a segunda é pautada por programações que oferecem às canções uma portentosa tonalidade pop e a isto deve-se somar a voz da Maria Antónia Mendes que ganha um outro poder maioritariamente narrativo sem que se associe a uma frieza que tal poderia originar antes exercendo um poder lúdico em que sobrevém uma ironia imune à crítica antes questionando os propósitos que compõe a consciência do homem moderno prisioneiro às coisas pequenas que lhes são oferecidas indiscutivelmente desconcertante; não escutas as Mil cores no Ar fragmento de um poema do Mário Sá-Carneiro folheia-o devagar porque é um homem de pena carregada de negro um suicida em potencia tal como eu fui um dia como este azul pedra de esquimó a derreter-se com a passagem inóspita do tempo assegura que te fazes ao vento e te deixas absorve-lo e poderás rodopiar em redor da tua cova ou berço húmido cavado para que sejas comida pelos vermes e na lápide o nome de uma cidade à beira rio e nas margens os contentores formam um muro que impede que te assomes aos marinheiros sedentos de amor e carinho ou de uma vagina tagarela; e há um minimalismo pop que une os dois pólos que aparentemente são opostos quando na verdade representam uma visão afunilada sobre a sociedade portuguesa que ignora sucessivamente que é escrava de conceitos e preconceitos que há muito deveriam ter sido dirimidos para dessa forma terem a vontade de olhar exclusivamente para o futuro; não continues a ler peço-te que te concentres nas andorinhas viúvas desde que nasceram de amantes que as trocaram por Marrocos para ver passar o William S. Burroughs intoxicado e disposto a disparar sobre a maçã colocada sobre a tua cabeça ouve o estoiro e o grito que a calou para sempre essa ressonância elucida-me sobre a viagem que empreendeste sem retorno a casa esse ponto de partida para um outro pólo onde se encontra a raiz de uma ilha que é escrava das marés.

Señoritas, “As Saudades Que Eu Não Tenho”, 29 de Junho, Stereogun, Leiria.

Sunday, June 10, 2018

A Year In The Life Of Andy Warhol

Amanhã talvez amanhã ou daqui a pouco é possível se as nuvens se dissiparem em redor de um monte de cinzas e pode ser que já tenhas a encomenda sob o tapete da entrada da tua tenda de apache pode ser que o meu pai esteja na missa distraído com os louvores ao seu Deus porque mesmo que cada um tenha o seu Todos são diferentes porém não creio que tal seja determinista mas é certo que a ideia de Deus varia de mim para a minha mãe e desta para a sua sogra figura fixa a fazer de conta que ouvia o seu filho a discursar sobre um assunto pertinente pois estava a pensar na sua filha à qual lhe crescia um bigode que a creme depiladora fazia desaparecer o problema é quando crescia e picava o rosto dos seus pretendentes que se esgueiravam para o infinito assim que havia uma oportunidade num dia terei que lhe dizer que a minha tia é deveras feia mas se o fizer não receberei as prendas de aniversário e as do Natal; se estivesse uma temperatura de Primavera não estariam neste momento a limpar o palco com uma esfregona onde os GNR irão tocar daqui a pouco e a humidade está misturada com um odor que lembra a Rui Reininho o das “vacas” e que tem origem numa fábrica de celulose “e com este tempo assim…” as reticências insinuam que assim que acabe o concerto que tem previsto como novidade “E QUEM?” seguirá com o Jorge Romão e o Tóli Cesar Machado em direcção ao Porto mas a nova canção não será apresentada algo que é desanimador e “Decapitango” é o sinal para a entrada em palco dos três músicos que os acompanham o Samuel Palitos na bateria o Paulo Borges nos teclados e o substituto do Tiago Maia o Marco Nunes na guitarra eléctrica e acústica ocupam os seus lugares num cenário onde se encontra inscrito a branco GNR; para além de correr o risco de envenenarem a sopa com os restos dos seus pêlos labiais e a minha mãe teve a ideia de que eu faça o seu retrato a lápis mas armei-me em artista plástico e usei o carvão e desenhei-a diversas vezes através de uma fotografia até que encontrei a sua expressão que julgava que me aproximava do seu âmago e o ofereci no seu aniversário e ao desembrulha-lo sorria amargamente ao se achar mais feia do que é na realidade algo que a amargurava e agradeceu contrariada e fiquei feliz por ter conseguido surpreende-la nem que fosse pela negativa já a minha avó mostrava-se relutante quanto à veracidade do retrato e quase o rasgava algo que me fez tristonho e percebia que a minha vida artística tinha acabado não é algo que me surpreendesse mesmo que tivesse sido elogiado jamais elas olhariam para mim com orgulho antes com o desdém com que sempre me presentearam e para além disso não podia esquecer a traição da minha avó ao trocar as peças das Damas para beneficiar o meu primo do qual esperavam que fosse sempre o vencedor e quando assim não ocorria serviam-me menos carne e batatas fritas que eu adorava e ao jantar tinha que estar atento aos seus comentários sobre a possibilidade de um dia me fazer ao mercado de trabalho e com as notas negativas não teria futuro ou pelo menos um futuro que me permitisse uma vida de pequeno burguês tal como a deles que em tempos compraram roupa de marca contrafeita e agora vestem a marca oficial com um orgulho de quem conseguira atingir um objectivo que lhes permitira subir um degrau na escala social; se as duas primeiras canções fazem parte do seu alinhamento habitual a surpresa é “USA” que é misturada com “Born In the USA” do Bruce Springsteen algo similar à apresentada no Estádio de Alvalade (1992) somente que desta vez com maior profundidade estilística proporcionada pelo órgão e se as seguintes o público que sob a chuva conhece de cor como por exemplo “Asas” ou “Popless” há a destacar a “Dançar SOS” em que graça um negrume que preenche um vazio existencial e que é cantada com uma delicadeza desarmante e à qual Rui Reininho dedica a “Antony Bordain que era um cozinheiro que metia os dedos na sopa” impossível não sorrir e é nisto que o cantor é Mestre ao desmistificar a morte para louvar a vida e a seguinte “Bellevue” prolonga o espírito da anterior acrescentando-lhe uma narrativa de filme onde decorre um assalto a uma consciência perturbada e o universo rock pop é dissecado em “Canadádá” aliás estava previsto o regresso da banda ao Canada já no próximo dia quinze mas tal foi infelizmente adiado; se continuasse a reprovar é provável que acabasse como servente de pedreiro ou então guarda prisional algo que não lhes agradava porque iria levar o seu pomposo apelido para o povo e por isso pressionavam-me para que estudasse mas era-me difícil manter a concentração porque perdia-me a olhar para a minha colega de carteira que era de uma beleza que me deixava tonto e não tinha coragem de pedir para mudar para o fundo da sala e deixa-la acompanhada por um idiota qualquer dos que a rondam nos intervalos como se fossem tubarões ansiosos por abocanharem os seus lábios finos e ficava a um canto a analisar o porque é que ela lhes sorria para de seguida os rejeitar num prazer estranho que me confundia e reflectia o porquê de tanta crueldade e perante o meu silêncio a minha avó tentava perscrutar-me para perceber a minha aversão à escola; e “Pronúncia Do Norte” é fiel a uma epicidade em que domina a fatalidade associada à coragem de se ser diferente e por isso orgulhoso “Dama ou Tigre” é funk com resquícios de new wave e “Nova Gente” um jogo em que as peças dissimulam que pertencem à pop popularucha numa ironia desarmante e “Las Vagas” é pop psicadélica e “Cadeira Eléctrica” power pop com laivos retro do início da década de oitenta do século XX já “Morte ao Sol” reaviva a tragédia de quem não encontra neste astro fonte para a felicidade e “Mosquito” é profundamente reggae e abandonam o palco e ao regressarem discorrem assertivamente sobre a pop de “Dunas” com coro do público encoberto por guarda-chuva e a pecaminosa pop “Vídeo Maria” e o rock destinado para os estádios “Sangue Oculto” que é o epílogo perfeito para um concerto em que domina a sobriedade e a eloquência estilística pop de quem são um tradutor único e por isso indivisível; também não lhe podia contar que à noite era assaltado por sonhos eróticos que assinalavam heroicamente a minha condição de adolescente capaz de reproduzir e que gostaria de o fazer desde já fosse com quem fosse desde que não tivesse bigode como a minha tia e que fosse sensual tal a minha colega entretanto eu e o meu primo às escondidas no sótão temos competido a ver quem ejacula sobre uma fotografia da Cicciolina colocada à distância de cinco metros numa janela num telhado esconso e nesse capítulo ele era quase sempre o vencedor algo que encheria de orgulho a avó mas este segredo fica entre nós.

GNR, 09 de Junho, Festas de Santo António da Cidade e do Município de Estarreja, Estarreja.

Em memória do Antony Bordain.