Tuesday, May 24, 2011

War

Campo Pequeno. Estão a colocar os instrumentos dos The National em palco, há um teclado à esquerda habitualmente usado por um músico que se encarregava também do violino. A surpresa é que este não surge quando The National, entram em palco, recebem em troca uma ovação tão quente quanto os quarenta graus de histérica temperatura. O ecrã que é usado como cenografia visual, apresenta uma cor roxa e a banda sonora é country, quando surge Matt Beringer a ovação pode ser caracterizada com uma loucura generalizada. “Star a War”, é de uma melancolia contida, a voz Beringer, é efectivamente doentia, “sometimes more”, “walk away now”, a banda sobrepõe-se ao narrador, “I get the money, I get funny again”, que desarmante ironia, resposta: “Walk away now”. O belo na escrita de Beringer é a dualidade, há dois narradores, que simultaneamente são interlocutores. “Sometimes more”, “walk away now”, “because you are going to strart a war”, “money”, “I get funny again”, ecrã laranja, palmas do público, finalizada com as guitarras dos gémeos Dressner em crescendo. “Thank you very much!”. “Anyone's Ghost”, 2X2, o baixo oblitera a canção e dá enfase à bateria, “didn`t want to be”, o paradoxo está disseminado na poética de Berigner, “but I don`t want any else”, melancolia é constante, “heart”, “didn`t want to be”, a negação levada ao extremo da auto punição, as guitarras dos gémeos deflagram, e transportam-na para o expoente máximo da beleza. “Secret Meeting”, o ritmo é uma valsa repleta de exuberância, “I think”, “didn`t”, delicado, “sorry I meet you”, “I have a secret meeting”, os metais (trompete/trompete de varas) adensam a melodia, a revelação: “I think this place is full of spies”, “sharks”, sangue no ecrã, o gémeo da direita: grita: “Secret place”, resposta: “Sorry I meet you”, grito: “Secret place”. A viagem guiada por Ohio, “Bloodbuzz Ohio”, a incerteza de enveredar por um discurso de novela: “I never married”, 2X2, “I have a thought about God”. “Slow How”, melancolia fúnebre, “so you”, guitarras, spoken word, “small”, metais, “I want”, metais, “to you”, guitarras, “think about you”, linha da guitarra grave, “I dream about you”, “29 years”, parece um eco que prolongam o tempo da narrativa para um sub-texto que nos fere, tanto tempo? Palmas. Progressão. “I think about you”, baixo. “Squalor Victoria”, a precursão marcial domina a canção, com o gémeo da direita no teclado. Criando uma densidade cromática densa, negra, grito: “Squalor Victoria”, grito: “Squalor Victoria”, grito: “Squalor Victoria”, funde-se o wall of sound, resgatado à história do rock and roll pelos génios-gémeos das guitarras. É a bomba que explode, o centro a partir do qual The National perpetuam-se na memória da multidão em histeria sincera como o é toda a loucura, demência, alienação, liberdade. “Thank you very much”. “Afraid Of Everyone”, as teclas inserem os acordes lentos graves e ondulantes, a voz é um contraponto não por se encontrar acima dos instrumentos, mas pelo que conta: “I`m afraid of anyone”, a vulnerabilidade característica de um escritor de romances falhados. Coros: “UUUU”, a conclusão drástica magoada mas dependente, “I don´t want this drugs to solve it”. Palmas. As guitarras em paralelo, “I `m afraid of anyone”, “With my kid in my shoulders”, “I don`t want drug to solve it”, guitarras, os metais prolongam-se em variações mínimas e solam, explosão distorcida das guitarras, que instigam o transe. “Portugal”, “Little Faith”, slow, “turn around”, “take me now”, “my mind”, “baby common”, “everything”, 2X2, distorção, “miss something”, “I miss something”. “Abel”, a certeza incerta esperança para os receptores, “God is by my side”, as guitarras dominam a melodia e invertem-na. Palmas. “All The Wine”, a divagação de um vagabundo do Ohio em Nova Iorque durante o Inverno. “Sorrow”, “find me”, “sorrow”, denso, guitarras, metais, a partilha cruel: “Sorrow is anybody”, baixo-bateria, a névoa instala-se no ecrã, mistura-se com a banda, spoken-word: “I don`t want”, trompete eleva a canção à eterna levitação da música perfeita. “Thank you so much!”. “Apartment Story”, melancolia binária, narrativa , “all by myself”, “everything”, “it`s diving”, guitarra, “so easily”, bateria, “I `m getting tired”, “tired”, “too easily”, guitarras em paralelo, pausa, a lei: “Do what ever the TV tell you”, “alright”, pop, “now”, “things allright”, Matt anda com o tripé e canta. “Conversation 16”, a progressão crepuscular percorre a canção pop-slow, “trouble”, “I want”, “anymore”, guitarras em paralelo, spoken-word: “Silver girls”, coro: “UUUU”, “I need your”, “I need more”, “I`m confident”, “be more romantic”, “more”, coro: “OOOO”. Ovação: “Obrigado”, “A new song”, “Lucky you”, “everything you get to the”, guitarra, voz, teclado, “zone”, trompete, “nothing you can do”, “you want me?”, não obtém resposta: “You want me?”, “nothing you can do”, solo exuberante da trompete a retirar a canção da melancolia tépida, distorção das guitarras, “you want me?”, no ecrã surgem cisnes. “Thanks so much”. “England”, teclado, guitarra, metais, as luzes brancas estão estáticas, “feel today”, “lost today”, “you lost”, spoken-word, palmas, “Los Angeles”, meio tempo, “everything you say”, “you must be”, a bateria insere-lhe alguma alegria: “I don`t need to go to England”, “Los Angeles”, “hot in the city”. “Fake Empire”, progressão, pausa, teclados, “in my lemonade” , “half away of a fake empire”, a poesia é irónica, “shoulder”, “fake empire”, acordes do teclado mimetizados pela banda, palmas, trompete, a progressão eleva-a ao reduto da tragédia épica. Berigner dedica aos presentes “Friends of Mine”, mas é um flop, a banda a tentar encaixar no domínio do rock repetido por milhares de outros artistas e o berreiro Berigner, piora a situação. Desculpa-se: “We almost get it! The problem was: Aararra”, grita ao microfone. “Mr. November”, a progressão perfeita conduzida pelas guitarras dos gémeos, génios. “Terrible Love”, também percorrida por uma potente progressão, “walking with spiders”, “it takes a ocean”, ovação continua. “About Today”, a pop- poética progressive, “today you where far away”, “tonight”, “ask way”, “walk away”, “tonight”, “eyes”, “I just watch”. No último tema The National abandonam a ligação à electricidade, e com duas guitarras acústicas, os metais, Berigner, canta o que os portugueses cantam, levantam os braços, ondulam, “baby cry”, “baby cry”, “to you”, “bring myself”, “cry baby cry”, “I´ll explain”.

Hight Violet, The National, 24 de Maio, Campo Pequeno @ Lisboa