Monday, November 14, 2016

GNR-- Onde Nem a Beladona Cresce

A rádio transmite canções de um passado distante e recente que se repercutem pelo Campo Pequeno, preenchido por figuras sentadas nas bancadas e na arena, parcialmente ocupada por um enorme palco atrás do qual se encontram três ecrãs, no central constam três consoantes: “GNR”, o Grupo Novo Rock festeja esta noite em Lisboa trinta e cinco anos devotos à música Pop-- devidamente retratados na biografia oficial: “GNR—Onde Nem a Beladona Cresce”, da autoria de Hugo Torres, que foi lançada em Setembro na Casa da Música com a presença da elite portuense. No Campo Pequeno o vulgo assobia quando as luzes se apagam e o palco é inundado pelo roxo e um som contínuo ondulante acompanha inúmeras imagens nos ecrãs dos GNR, surgem os músicos que os acompanham na estrada: Samuel Palitos na bateria; Tiago Maia nas guitarras, harmónica, voz; Paulo Borges nos teclados, voz, que desenham a melodia da canção: “Bem-vindo ao passado”. Os ecrãs retratam notícias sobre os GNR, um cabeçalho caracteriza-os como: “Os Três Mosqueteiros”, o primeiro a surgir em cena é o Tóli César Machado que tem uma guitarra eléctrica a tiracolo; o Jorge Romão atravessa a boca de cena e bate palmas e é correspondido pela multidão, apropria-se do baixo eléctrico; quando se ouve o fraseado do sintetizador do Paulo Borges sobre a cadência delicada e por natureza pop, surge da direita alta o Rui Reininho-- que agradece a ovação que se sobrepõe ao PA-- e canta sedutoramente: “Já senti a morte certa/ Viajei de caixa aberta, a dor”, e os GNR dão continuidade às harmonias tépidas e lentamente progridem, “já desci ao limbo, eu sei e é no purgatório e a dor”, as guitarras de Tiago Maia e Tóli César Machado são parcimoniosas na luminosidade que emanam, “queimado fundido passado”, e a melodia é acrescida de uma gramática levemente psicadélica, “até subi ao fim do vento/ No meio do purgatório e vou/ Desci lá em baixo ao fundo/ Até falei com o outro mundo” , o ritmo lento é gradualmente substituído por uma graduação mais rápida, “zangado bem-vindo ao passado/ Pecado fundido queimado”, a bateria do Samuel Palitos altera a sua métrica para uma batida pop durante a qual se destaca o solo do Tiago Maia a repetir os acordes que perfazem a melodia de lusco-fusco, e é seguido pela do Tóli César Machado a adjectiva-la com o pedal wha wha, “pecado fundido queimado”, e há uma persecução de uma imagética abstracta, “zangado bem-vindo ao passado”, mas que se mantém presa ao seu desígnio pop, “pecado fundido queimado”, e o cantor faz a síntese do âmago que nos une: “Zangado, bem-vindos ao vosso passado”, e sobre o ritmo lânguido doseado pelo baixo eléctrico do Jorge Romão, insurge-se a repetição dos sintetizadores do Paulo Borges, e por entre destes três pontos encontram-se as guitarras eléctricas do Tiago Maia e do Tóli César Machado que incorrem num centro tão belo quanto psicadélico, “obrigado”, e as palmas eclodem. A segunda, “Vídeo Maria”, tem uma dinâmica pop em crescendo da qual se destaca a guitarra wha wha do Tóli César Machado, há uma alteração no ritmo e induzem-na à dança (as palmas acompanham-nos), Rui Reininho narra: “Tarde de chuva, é península inteira a chorar/ Entro numa igreja fria, sou um círio cintilante/ Sentada, sozinha, fumando em frente ao altar/ A silhueta o esboço, a esfinge de um anjo fumegante”, a melodia ganha uma perspectiva lúdica repetitiva e as guitarras do Tiago Maia e do Tóli César Machado e o baixo eléctrico do Jorge Romão conferem-lhe uma contemporaneidade pop somados ao sintetizador kitsch do Paulo Borges, “há em mim um profano desejo a crescer/ Sinto a língua morta sei que o latim vai mudar/ Os santos do altar que devem tentar compreender/ O que ela faz aqui fumando/ Estará a meditar?”, e pautam-na de um crescendo que encontra o ponto central no baixo eléctrico do Jorge Romão que é vincado pelos sintetizadores do Paulo Borges de órgão de igreja com hóstias alucinogénias para os fiéis, “ai, ui, atirem-me água benta/ Por ela assalto a caixa de esmolas/ Atirem-me água fria/ Com ela eu desço ao inferno de Dante/ Atirem-me água benta”; “Atirem-me água bem fria”, e sobre o a pop festiva o Tiago Maia sola numa contenção rock, e há uma síncope pop da qual sobressaem as guitarras wha wha do Tiago Maia e do Tóli César Machado, pausa e palmas do público, e retomam a pop em crescendo sob as palmas efusivas dos fãs: “Ai, ui, atirem-me água benta/ Por ela assalto a caixa de esmolas”; “por parecer latina suponho que o nome dela é Maria/ Sexy eu sei, se é virgem ou não? Depende de muita fantasia”, e a pop ganha uma caracterização épica por ser tão bela, e finalizam-na num crescendo rápido: “Lálálá”, e o Campo Pequeno estala numa ovação agradecida por Rui Reininho: “Obrigado”. Antes da terceira canção, o extravagante Rui Reininho confidência: “O tio Leonard coitado dele…”, e faz de conta que tira o seu chapéu invisível ao recentemente desaparecido Leonard Cohen: “I`m your fan”, e as palmas associam-se à sua teatral homenagem. “Efectivamente” tem um andamento pop alegre (acompanhado por palmas do público), a melodia provém do teclado do Paulo Borges e da guitarra semi-acústica do Tóli César Machado, evocam uma paisagem naturalista que é descrita por Rui Reininho: “Adoro o campo as árvores e as flores/ Jarros e perpétuos amores/ Que fiquem perto da esplanada de um bar/ Pássaros estúpidos a esvoaçar”, aumentam a cadência da melodia com subtilezas advindas do piano do Paulo Borges, “adoro as pulgas dos cães/ Todos os bichos do mato/ O riso das crianças dos outros/ Cágados de pernas para o ar”, diluem-se em tonalidades pop primaveris, “efectivamente aqui é diferente”, o Jorge Romão e o Tóli César Machado respondem-lhe: “Lálálá”, e o Rui Reininho é taxativo: “Efectivamente sem moralizar”, sobre a subtileza pop o cantor prossegue a narrativa: “Adoro as pegas e os panascas que passam/ Finjo nem reparar/ Na atitude tão clara e óbvia/ De quem anda a engatar/ Adoro esses ratos de esgoto/ Que disfarçam ao dealar/ Como se fossem mafiosos convictos/ Habituados a controlar”, e os GNR determinam um novo cânone pop: “Efectivamente escuto as conversas”, coro: “lálálá”, “aparentemente ambíguas”, coro: “lálálá”, “efectivamente sem moralizar”, a bateria do Samuel Palitos reluz os seus pratos e a guitarra eléctrica do Tiago Maia sola repetidamente e a acústica do Tóli César Machado é inscrita ritmicamente, e as palmas do público acompanha-nos festivamente, a bateria delega um ritmo mais presente que a estrutura numa contagiante pop e o coro: “lálálá”, Rui Reininho: “Efectivamente gosto é desta gente”, coro: “lálálá”, “aparentemente sem moralizar”, coro: “lálálá”, “aparentemente eu escuto as conversas”, coro: “Lálálá”, “aparentemente sem moralizar”, coro: “lálálá”, “efectivamente sem moralizar”, coro: “Lálálá”, “efectivamente sem moralizar”, e o teclado do Paulo Borges encontra-se com a cadência do bombo do Samuel Palitos e finalizam-na sobre uma estrondosa ovação. A quarta, “Triste Titan”, é dominada pelo teclado luminoso e decorativo do Paulo Borges acompanhado pela bateria do Samuel Palitos adicionados ao baixo eléctrico do Jorge Romão, implementam uma leveza pop que encontra na voz do Rui Reininho uma confissão desarmante: “Se o mar te dá um chocho/ Desejamos a espuma do mar”; “hesitamos”; “a sereia no topo do bolo até caiu”, e o teclado repetitivo do Paulo Borges instiga uma subtil tensão, “não falamos”, há um crescendo que a retira da sua tepidez que a coroa com uma beleza desarmante, “Titan de Leça vais à praia/ E vais a banhos/ Vens de lá vais a Gibraltar combater nuestros hermanos”, e há uma reintrodução do fraseado luminati do Paulo Borges, “a sereia no topo do bolo até caiu/ Nada melhor do que a trivela dos ciganos”, e a progressão que estabelecem é do tempo imaginário de um dia de Verão, “vais à Nazaré e vais a banhos/ Vens de lá vais a Gibraltar chatear nuestros hermanos/ Segue a dieta mediterrânea ou nós enjoamos”, e os raios de sol provêem do teclado do Paulo Borges que encontra no do Tóli César Machado o seu duplo, e a bateria do Samuel Palitos e a delicadeza do Jorge Romão instituem o seu perfil pop elegante, “Leça vais à praia/ Vais a banhos/ Vens de lá vais a Gibraltar combater nuestros hermanos”; “segue a dieta mediterrânea ou nós enjoamos/ E tu vais a banhos e nós enjoamos/ Vais a banhos a milhares de anos”, e é finalizada como um relicário de luz. A quinta, “Caixa Negra”, tem uma programação rítmica em crescendo marcada por um timbre grave do teclado do Tóli César Machado, e a bateria do Samuel Palitos introduz um ritmo rápido e os sintetizadores do Paulo Borges dão-lhe uma crescente tonalidade kitsch, e este dedilha um fraseado a partir do qual o Rui Reininho canta: “Caixa negra tem”, e a guitarra eléctrica do Tiago Maia destaca-se numa vertente funky, “há coisas que não revelam a ninguém”, prosseguem o desfiar da melodia entroncada na (pop) new wave, “nem lembra ao Diabo também/ Caixa negra vem/ Da altura que não convém mesmo a ninguém / Afectam e assustam alguém”, e a guitarra eléctrica do Tiago Maia insurge-se repetidamente e gravemente, “há quem lhe chame preta/ Sem poemas na gaveta/ Mais uns sons tipo trombeta”, que se mistura com as notas graves sustenidas dos teclados e com baixo eléctrico do Jorge Romão, “há sempre uma bicicleta com motor é uma lambreta/ Uma bala na caneta”, e o fraseado do piano do Paulo Borges é o ponto de partida para o Rui Reininho clamar: “Caixa negra vem”, e reincide a guitarra funky do Tiago Maia, “tem cores que se distinguem muito bem”; “Caixa negra trás trás trás/ Recordações do além/ Vai e vem/ Vai e vem”, o acréscimo de ritmo peja-a de uma urgência pop, “quem levanta uma suspeita/ Uma perna perfeita/ Atmosfera rarefeita/ Há sempre uma bicicleta com motor é uma lambreta/ Uma bala na caneta”, e o mecanismo que instituem ganha um dramatismo psicadélico (soam sinos de igreja pardacenta), “lá vem essa bicicleta com motor é uma lambreta/ Uma bala na caneta/ Essa suspeita/ Essa perna imperfeita/ Atmosfera rarefeita”, que se estabelece como denominador comum, “lá vem essa bicicleta com motor é uma lambreta/ Uma bala na corneta/ Caixa negra vem/ Caixa negra vem”. A sexta, “Cadeira Eléctrica”, encontra na bateria do Samuel Palitos uma propulsão rock adjunta às guitarras eléctricas semi-distorcidas do Tiago Maia e do Tóli César Machado sobre os quais paira o piano do Paulo Borges, há uma variação rítmica e a guitarra do Tóli César Machado repete uns acordes como se f”eu”ossem uma ladainha new wave, e o Rui Reininho tem um discurso surrealista: “Há no céu-da-boca/ Um sabor a mel fel/ Da beleza é pouca/ Ninguém manda no bordel”, soa a guitarra eléctrica do Tiago Maia num solo agudo e contínuo que percorre os versos: “Há na China uma barragem suicida/ Para quem quer mudar de vida/ O chamado investimento”, as guitarras do Tiago Maia e do Tóli César Machado reavivam o seu carácter rock mas imiscuída num psicadelismo com fragmentos do piano do Paulo Borges, “apaga as luzes já é de manhã/Aproveita o vento/ Finge um sentimento”, regressa a cadência repetitiva dos acordes da guitarra do Tóli César Machado, “alteração no tempo”, e o solo agudo do Tiago Maia é reanimado, “quando muda a hora lá vem o sofrimento”, aumentam o ritmo e quem o emoldura é o sintetizador kitsch do Paulo Borges, “liga a cadeira eléctrica/ Sente a energia/ Funciona sempre por magia/ Liga a cadeira eléctrica/ Corta a corrente/ Funciona é sempre tão diferente”, eclodem as palmas do público quando se destacam as guitarras e o baixo eléctrico do Jorge Romão e o solo do piano do Paulo Borges, este ganha uma textura de sintetizador que se sobrepõe ao power pop psicadélico que progride gradativamente, “apaga as luzes já é de manhã/ Aproveita o tempo/ Finge um sentimento/ Liga a cadeira eléctrica sente a energia/ Funciona sempre é magia/ Liga a cadeira eléctrica sente a energia/ Funciona sempre é só magia”, e o psicadelismo é o dominador comum, “Liga a cadeira eléctrica/ Corta a corrente/ Funciona sempre é diferente”, o piano do Paulo Borges sentenceia o fim. A sétima, “Ana Lee”, tem como princípio a guitarra eléctrica do Tiago Maia que insere uns acordes que gradualmente se aproximam do exotismo pop, e a narrativa do Rui Reininho é consentânea: “Eu bebi, sem cerimónia o chá/ À sombra uma banheira decorada/ Num lago é só champô”, as palmas compassadas do público acompanha-nos, “e dormi, como uma pedra que mata/ Senti as nossas vidas separadas/ Aquário de ostras cru”, e o público canta com Rui Reininho: “Ana Lee, Ana Lee/ Meu lótus azul/ Ópio do povo/ Jaguar perfumado/ Tigre de papel/ Ana Lee, Ana Lee no lótus azul/ Nada de novo/ Poente queimado/ Triângulo dourado”, a bateria do Samuel Palitos transpõe-na para um universo pop com a anuência dos restantes músicos que perseguem esse ceptro e eclodem as palmas dos fãs, “se ela se põe de vestidinha/ Parece logo sempre uma princesinha num trono de jasmim/ E ao vir-me, embora em verde tónico/ No país onde fumam as cigarras/ Deixei-a a sonhar por mim”, e a melodia é de uma festividade pop que a transforma numa canção atípica de amor, “Ana Lee, Ana Lee/ Meu lótus azul/ Ópio do povo/ Jaguar perfumado/ Tigre de papel/ Ana Lee, Ana Lee no lótus azul/ Nada de novo/ Poente queimado/ Triângulo molhado”, e o piano do Paulo Borges oferece-lhe um solo blues assombroso que é desconstruído pela guitarra eléctrica semi-distorcida do Tiago Maia sobre o crescendo da bateria do Samuel Palitos, “Ana Lee, Ana Lee/ Meu lótus azul/ Nada de novo/ Jaguar perfumado/ Tigre de papel/ Ana Lee, Ana Lee no lótus azul/ Nada de novo/ Poente queimado/ Triângulo dourado”, a pausa é marcada pelo dedilhar do piano do Paulo Borges e há um recrudescer do ritmo onde se destacam as guitarras do Tiago Maia e do Tóli César Machado, “São unhas que cravam/ Na pele em mim/Ana Lee/ São mãos que plantam arroz Xau Xau”. Antes da oitava, “Homens Temporariamente Sós”, Rui Reininho abandona o palco e surge de vestido de lantejoulas preto Rita Redshoes; o sintetizador do Paulo Borges transmite um crescendo lento e tépido e a bateria do Samuel Palitos tem um compasso de coração sonolento, e o baixo eléctrico do Jorge Romão posiciona-se entre estes e sobrevém a guitarra eléctrica do Tiago Maia num slide incisivo de tão dilacerante, e a Rita Redshoes canta imiscuindo-se nos versos escritos por Rui Reininho: “Prometo não falar de amor de gostar e sentir/ Portanto não vou rimar com dor e mentir”, a cadência delicada é pontuada pela guitarra slide do Tiago Maia, “joga-se pelo prazer de jogar e até perder”, e que se delineia sobre o crescendo que transpõe uma tragédia a ocorrer, “invadem-se espaços trocam-se beijos sem escolher/ Homens temporariamente sós, que cabeças no ar”, após a pausa regressam as harmonias dóceis, “até são retratos de solidão interior/ Não há qualquer tragédia / Mas um vinho a beber/”, e a guitarra do Tiago Maia em slide sola indolentemente sobre um dramatismo poeticamente épico, “partidas regressos conquistas por fazer/ Tudo anotado numa memória que quer esquecer/ Homens sempre sós são bolas de ténis no ar/ Muito batidos saltam e acabam por enganar/ Homens temporariamente sós ai que cabeças/ Homens sempre sós nunca sabem o que é ganhar”. Aplausos do público, e na presença do Rui Reininho a Rita Redshoes discursa: “Boa noite. Obrigada. É uma honra e um prazer imenso festejar os 35 anos dos GNR que são aliás os meus anos de vida, como podem calcular desde menina que os oiço e é para mim uma enorme honra estar aqui”, e quando faz uma vénia aos aniversariantes conclui: “Muito obrigada senhores”, Rui Reininho elogia-a: “Lovely Rita”. A nona canção, “Dançar SOS”, encontra nos teclados do Paulo Borges e do Tóli César Machado uma lentidão melancólica e dolente associados ao ritmo slow do Jorge Romão e do Samuel Palitos, e é a guitarra eléctrica de Tiago Maia que lhe oferece uma cor quase blues, Rui Reininho é metafórico: “Abraçar um balde água fria e morrer sem companhia”, mantêm a cadência slow-- Rita Redshoes: “Enganar-me na casa de banho, perguntar as horas a um estranho”, Rui Reininho: “E o medo de ficar para tia”-- que slow ganha um balanço que convida à dança, Rui Reininho e Rita Redshoes: “Habitualmente dança-se sós, como viver como morrer, viver com mais gente”, o teclado do Tóli César Machado reintroduz os acordes melancólicos, Rita Redshoes: “Ao som da chuva moderada”, a guitarra do Tiago Maia inscreve uma redutora esperança, Rui Reininho: “Dançar com a minha namorada”, Rita Redshoes: “Enquanto eu vou fugir para a estrada”, Rui Reininho: “Ficar a ouvir a trovoada”, Rita Reshoes: “Sem companhia”, Rui Reininho: “O medo de ficar para tia”, prosseguem o desfiar dos acordes melódicos tristonhos, Rita Redshoes: “O medo de perder um amigo”, Rui Reininho: “ Saber se ligo ou não ligo”, Rita Redshoes e Rui Reininho: “Habitualmente dançamos sós, e vive-se e fica-se só, frequentemente vivemos tão sós”, Rui Reininho: “Habitualmente”, e sobe o crescendo dos teclados do Paulo Borges e do Tóli César Machado, a guitarra do Tiago Maia sola num timbre blues, Rui Reininho e Rita Redshoes: “Habitualmente dança-se só”, os GNR acrescentam um dramatismo eloquente, “vive-se e fica-se se só”; “frequentemente vivemos tão sós”; “dança-se e não só”; “dançamos nós”, e a guitarra eléctrica do Tiago Maia não acompanha o desacelerar do ritmo que encerra a canção. Nos ecrãs surge uma imagem flutuante acompanhada por uma nota sustenida que dada a sua repetição é abstracta, ao cessar as palmas do público eclodem e uma luz incide sobre Tóli César Machado sentado num piano de cauda preto, que toca os acordes que resultam na melodia da canção, “Asas”, que são complementados pelo sintetizador do Paulo Borges que lhes confere leveza e dramatismo pop, Rui Reininho apresenta o pianista: “Tóli César Machado”, e as palmas ressurgem e os dois teclados progridem e a voz de Rui Reininho insurge-se: “As assas são para voar, para pousar e para sonhar”; “espreitar mil casas no ar”, o dramatismo pop prossegue, “asas servem para proteger, tentar não te esquecer”; “do alto do ar”, e quando canta: “E só quando quiseres pousar na paixão que te roer”, o Samuel Palitos faz tremer um prato que subtilmente pontua-a com uma ligeira tensão, “já não há leis para te prender aconteça o que”, o público completa-a, “acontecer”, e Rui Reininho responde-lhes: “Acontecer”, e o Samuel Palitos retira-a do seu reduto slow pop e o baixo do Jorge Romão tece no mesmo sentido; dos teclados destaca-se o do Paulo Borges que sola sintetizando a melodia numa agudeza western-pop; “há um novo amor que vês crescer sem prazo e idade para acabar”; “aconteça o que acontecer”; e sobre a melodia pop o Paulo Borges sola mas numa outra dimensão que comparada com o anterior é menos angustiada. Ovação. “Obrigado”. A décima primeira canção, “Bellevue”, é iniciada pela bateria sustenida do Samuel Palitos e pelo teclado repetitivo do Paulo Borges; o lugar do Tiago Maia, que saíra do palco antes da música anterior, é ocupado por uma violinista apresentada por Rui Reinino: “Ianina”, que recebe efusivas palmas por parte do vulgo, que se transferem para acompanhar o ritmo sustenido do Samuel Palitos que ao introduzir o binário Rui Reininho canta: “Leve levemente como quem chama por mim/ Perdido na bruma nevoeiro sem fim/ Uma ideia brilhante cintila no escuro um odor, a tensão do medo puro/ Salto o muro ´Cuidado com o Cão`”, sobre o crescente dramático da valsa pop surge o violino da Ianina Khmelik Pacheco que contorna melodiosamente a canção, “vejo onde ponho o pé e subo a mão”, a valsa progride como se estivesse a instituir um quadro sónico em que o violino liberta e inscreve uma tensão que institui o suspense de um film noir, “encosto ao vidro um anel de brilhantes/ Sei é fancaria a fingir diamantes/ Salto à janela com muita atenção/ Ponho-me à escuta ai o meu coração/ Sabem que escondo na Bellevue”, o teclado do Paulo Borges insere umas notas psicadélicas-pop, “ninguém comparece ao meu rendes-vouz”; “pelo corredor um foco de luz no último estertor/ No espelho um esgar um sorriso cruel/ Por trás da última porta cama de dossel/ Salto-lhe para cima experimento o colchão”, reacende-se o violino de Ianina Khmelik Pacheco num aprofundar da perspectiva sobre a melodia, “onde era sangue era só solidão”, a voz do Rui Reininho é irrepreensível na forma como canta/narra: “sabem que escondo na Bellevue/ Ninguém comparece ao meu rendez-vous/ Os pobres dos bichinchos sangrando no jardim”, sobre a valsa pop sobrevém o teclado pop psicadélico do Paulo Borges, e o público acompanha o canto do Rui Reininho, “e agora mais ninguém confia em mim”, durante a pausa as palmas eclodem, e é o piano de cauda do Tóli César Marchado que sola e reintroduz as notas poéticas de “Bellevue”, é acompanhado numa lamuria pelo violino da Ianina Khmelik Pacheco, ouvem-se passarinhos a chilrear, e o crescendo é imposto pela bateria do Samuel Palitos, destaca-se o violino da Ianina Khmelik Pacheco que introduz campos de fuga épicos e os GNR instituem a pop, “as minhas amiguinhas no fundo do jardim, por isso mais ninguém confia em mois/ Era só para brincar ao cinema negro/ Corpos no lago jovens no desemprego”. Na décima segunda, “Vocês”, Tóli César Machado dedilha no piano de cauda notas lentas e Rui Reininho dedica-a ao público: “Esta é para voceses”, e as palmas destes agradecem a atenção, e canta: “Todos me tratam por você/ Menos tu não sei porquê/ Estou marado e o Mundo vê”, a tristeza do piano do Tóli César Machado é transversalmente transcrita pelo violino da Ianina Khmelik Pacheco, “se fiquei se voltei ou se gostei onde parei”, a bateria de Samuel Palitos acrescenta à introspectiva melodia laivos de ténue vivacidade, “eu inventei o verbo amar/ Eu menti sem hesitar/ Esqueci o calor do lar”, o crescendo melódico é dominado pelo violino da Ianina Khmelik Pacheco que pontua a poesia do Rui Reininho que dá uma entoação brasileira ao verso: “Eu que gosto de você”, delegando um universo predominantemente tropical, “não vou partir nem vou ficar”, o piano do Tóli César Machado introduz os acordes primevos da canção e Rui Reininho retoma o seu jogo de espelhos: “Todos me tratam por você menos tu não sei porquê”, e o violino de Ianina Khmelik Pacheco dá continuidade à melodia como se fosse um interlocutor do cantor, “não sei onde sai se cheguei ou nem voltei”, sola contidamente e os GNR seguem-lhe o crescendo introvertido, “eu menti sem hesitar”, ressoa o violino agudamente sobre o slow, “eu que gosto de vocês, só menti sem hesitar, só queria mesmo ficar”, o solo do piano do Tóli César Machado aprofunda a perspectiva sobre a bossa nova, e obtém uma resposta por parte de Ianina Khmelik Pacheco e as cores da melodia são vivaças ma non troppo, “não parti e não vou ficar”, o crescendo prevalece como se os GNR estivessem a rebelar-se perante a incapacidade de comunicar de Rui Reininho: “Eu vocês”, assobia as notas de bossa nova implementadas por Tóli César Machado, “eu você”… A décima terceira canção é apresentada por Rui Reininho: “A Valsa dos Detectives”, e é o violino da Ianina Khmelik Pacheco que se eleva gradualmente, enquanto ecoam as palmas, tem como contra-ponto o teclado infantil do Paulo Borges, a melodia ganha uma nuvem de desamparo que é tão bela quanto perscrutaste, e no ecrã um carrossel parisiense roda à cadência da valsa, as palmas cessam e Tóli César Machado no piano preto introduz as notas da melodia, e Rui Reininho descreve uma alma: “Tem medo do escuro tal criança sem futuro”; “fraco e velhaco covarde armado em duro”, e quando canta: “Vem pelo mundo guiado pela mão”, sobrevém a bateria do Samuel Palitos que a agracia com um ritmo pop e o violino e os teclados asseguram um uma valsa dramática, “até depois de morto mais uma volta no caixão”, o piano do Tóli César Machado acompanha a tristeza melódica do violino Ianina Khmelik Pacheco, há um solo fantasmagórico do teclado do Paulo Borges que lhe proporciona uma profundidade enigmática, “nem na cama está seguro”; “tem medo que alguém lhe chame género sofre do medo puro”, a canção é assoberbada por uma melancolia vivaça que a torna por natureza cinética porque é associada a imagens que confiscaram em tempos a ingenuidade, “tem medo do olhar dos mortais que os rodeiam” e diminui-se “a mentiras pequeninas que serpenteiam”; “e vai pelo Mundo guiado pela mão”, o andamento da valsa pop é em crescendo com a prevalência do violino da Ianina Khmelik Pacheco, “até depois de morto mais uma volta no caixão/ É só paranóia mania da perseguição”; “e vai pelo mundo”, surge um ritmo de marcha fúnebre e Jorge Romão bate palmas na boca de cena, e é retribuído efusivamente pelo público que canta “depois de morto”; a canção ganha um ritmo cada vez mais curto e o violino da Ianina Khmelik Pacheco é de uma leveza épica e simultaneamente teatral, as palmas ecoam e o violino cala-se num grito agudo como um prego a perfurar um caixão de chumbo. Épico. Na décima quarta, “Sete Naves”, o piano de Tóli César Machado é repetitivo assim como o teclado do Paulo Borges embora mais agudo, a bateria do Samuel Palitos é o vértice onde aporta a melodia, as castanholas do Rui Reininho oferecem-lhe uma adjectivação kitsch e canta: “Vejo um rio vejo destroços de metal a flutuar/ Vejo um rio provavelmente o Tejo/ Desejo de me afundar”, o órgão do Paulo Borges ganha predominância e apresenta uma textura que providencia uma desordem na narrativa, “sinos sinetas ao acordar”; “paro de martelar”, e sobre a progressão em síncope sobrevém o violino da Ianina Khmelik Pacheco num solo épico que pára quando Rui Reininho intervém: “Vejo estes dedos são metálicos frios”; “sei que há nuvens ricas de carbono ahaha diáfanas de envenenar”; “paro de me enganar”, não iludem a pop antes sintetizam-na, “as vagas que eu construo não são feitas para navegar/ Aguentam a violência de um beijo nunca a do mar”, e o violino sublinha os versos: “As vagas em que elas vogam fundem-se com o ar e elas vêm, voltam-se devagar”, e os teclados repetitivos associados ao violino e a cadência da bateria e do baixo eléctrico do Jorge Romão condicionam-na ao psicadelismo, ouvem-se as castanholas do Rui Reininho, a progressão é vilipendiada pelo violino da Ianina Khmelik Pacheco que a peja de diversas amplitudes sónicas, pausa e as palmas eclodem, “as naves que eu construo não são feitas para navegar/ Aguentam a violência de um beijo nunca a do mar/ As vagas onde elas vogam fundem-se com o ar”, o violino da Ianina Khmelik Pacheco recorta a frequência repetitiva que domina a progressão, “aguentam a violência de um beijo”; “elas vêm se se voltam devagar”; e Rui Reininho e Jorge Romão repetem: “Iala bom bom, Iala bom bom, Iala bom bom”, e os GNR emitem um contínuo que se replica num psicadelismo pop, que quando se silencia parece que eclode o silêncio. Perante a ovação Rui Reininho agradece: “GNR os primeiros trinta e cinco anos”. A violinista abandona o palco-- do qual retiram o piano de cauda-- e entra Tiago Maia que ostenta uma guitarra semi-acústica, o Samuel Palitos introduz através da tarola o ritmo repetitivo/rock de “Impressões Digitais”, adicionado à pandeireta de Rui Reininho e são acompanhados pelas palmas do público, o hammond do Paulo Borges introduz o fraseado que lhe confere a melodia e simultaneamente um groove retro kitsch, e a guitarra do Tiago Maia mimetiza os acordes do teclado mas numa versatilidade pop, e o fraseado do Paulo Borges sintetiza-se e Rui Reininho canta: “Faz-me impressão trabalho”, público: “OOO”, “que se tem de ser superficial/ Faz-me impressão e baralho”, público: “OOO”, “o vulgar e o intelectual”, solo do hammond do Paulo Borges sobre a batida rock, “sinto uma pressão tão forte”, público: “OO”, “perco tempo essencial sofro uma pressão enorme”, público: “OOO”, “para gostar de quem é normal”; “não sou analógico sou criatura digital”; transcrevem continuamente um rock and roll com um groove retro adjunto a uma festividade desarmante de tão urgentemente conivente com a pop, “não sou patológico como papel vegetal”, coro: “papel vegetal, papel vegetal”; solo do hammond do Paulo Borges que se encaixa no retro-groove-rock naturalmente seguido de um solo da guitarra eléctrica do Tóli César Machado, e Paulo Borges através do sintetizador sublinha as notas do refrão através do kitsch; “faz-me impressão ser seguido”, público: “OOO”, “imitado por gente banal/ Faz-me um favor estou perdido”, público: “OOO”, “indica-me algo de fundamental/ Acho o que gosto em mim o que motiva é uma preguiça transcendental/ O que me torna assim o que me cativa esse sorriso vertical/ Acho o que gosto em mim o que me motiva é uma preguiça transcendental/ O que me torna assim o que me cativa esse sorriso vertical/ Sorriso vertical como uma impressão digital”, sobre as harmonias kitsch emerge o solo da guitarra de Tiago Maia e recrudesce o ritmo e a altura da canção e Rui Reininho declara: “Sinto-me uma fotocópia prefiro o original/ Edição revista e aumentada cordão umbilical/ Exclusivo a morder a página em papel jornal”, os GNR transcrevem uma celebração pop/rock intemporal, “faz-me impressão trabalho a inércia faz-me mal”, “faz-me impressão trabalho a inércia faz-me mal”, “faz-me impressão trabalho a inércia faz-me mal”, “faz-me impressão trabalho a inércia faz-me mal”, “faz-me impressão trabalho a inércia faz-me mal”, Rui Reininho e Tiago Maia e Paulo Borges: “OOO”, Jorge Romão e Tóli César Machado: “Yéyé”; Rui Reininho e Tiago Maia e Paulo Borges: “OOO”, Jorge Romão e Tóli César Machado: “Yéyé”; Rui Reininho e Tiago Maia e Paulo Borges: “OOO”, Jorge Romão e Tóli César Machado: “Yéyé”, Rui Reininho e Tiago Maia e Paulo Borges: “OOO”, Jorge Romão e Tóli César Machado: “Yéyé”, Rui Reininho e Tiago Maia e Paulo Borges: “OOO”. Na décima sexta, “Sangue Oculto”, a bateria do Samuel Palitos coincide com a métrica do solo em delay da guitarra eléctrica do Tiago Maia, “oh yeah”, e que é devidamente acrescida pelos GNR de uma repetição dos acordes rock-- surge Xavier Andreu de óculos escuros-- e Rui Reininho canta: “Ardem chamas só de dois sóis/ A luta na arena artificial corre o sangue/ Mato-me primeiro e a ti depois”, e quando Xavier Andreu canta os GNR progridem ritmicamente e as palmas efusivas do público seguem-nos: “a huir de una investida es como saltar una hoguera/ La barrera de fuego una frontera”, e continuam a provir o rock e é a vez de Rui Reininho: “Ao fugir da própria vida sem correr e sem saltar/ Oculto sangue que temos para dar”, o solo do Tiago Maia é marcado por uma cadência rítmica compassada, e Xavier Andreu acrescenta: “No és como la sangre que correran entre mis venas/ Ardem como el deseo tu prison e mis cadenas”, sobre a cadência rápida do rock responde-lhe Rui Reininho: “Ao fugir de uma investida é como saltar a fogueira, hombre! Hombre”, e aponta para o Xavier Andreu que: “La barrera de fuego una frontera”, “OOO”, e Rui Reininho canta sobre a festividade kitsch rock, “ao fugir da própria vida”, Xavier Andreu, “Sin volver la pista atrás”, Rui Reininho: “Oculto sangue latino que temos para dar”, a guitarra eléctrica do Tiago Maia deflagra num solo épico, pausa e palmas, e os GNR retomam-na ao exorbitar a sua verve puramente rock and roll, “a huir de una investida”, “é como saltar a fogueira”, “la barrera de fuego una frontera” , “OOOO”, “ao fugira da própria vida”, “sin volver la pista atrás”, “oculto sangue que temos para dar”. “OOO” e o solo de piano do Paulo Borges verte uma urgência western, Rui Reininho e Xavier Andreu: “Oculto sangue que temos para dar”. Rui Reininho despede-se do Xavier Andreu: “Muchas gracias”. A décima sétima, “Las Vagas”, é iniciada através de um som aquático (repetitivo) e a bateria do Samuel Palitos e as guitarras semi-distorcidas em paralelo do Tiago Maia e do Tóli César Machado incitam um princípio psicadélico, Rui Reininho descreve: “É tão grande é uma macro onda vista dali da marina”; “cheira tudo a ambição/ A inundar de ouro a mina”, solo do Tiago Maia em suspenso é seguido pelo teclado ondulante do Paulo Borges sobre a verve rock, “roleta russa aceitas as apostas”; “os fiéis das balanças”; “tudo são manigâncias”, “perdes tudo e todos e gostas”, e a guitarra do Tiago Maia sublinha uma sub-reptícia densidade cromática, sedutoramente: “gostas”, “gostas”; “eu sereia a gorda serás a magra/ E tu a cabra cega serás quem paga vaca louca”; “não havia vaga”; a progressão dos GNR é uma contida transgressão de rock psicadélico, “sou uma cobra dentro de água”, e o Tiago Maia sola numa vertente rock and roll que se espelha numa excelsa progressão dos GNR, “eu sereia a gorda serás a magra”; “não havia vaga”; “sou um peixe fora de água”, e a pausa é marcada por palmas do público que acompanha o ribombar da bateria do Samuel Palitos, destaca-se a guitarra eléctrica wha wha do Tóli César Machado a instituir um psicadelismo pop, e é a guitarra do Tiago Maia em dealy sola sobre a coerência rock dos GNR que quando a finalizam num coitus interruptus psicadélico, Jorge Romão retira o baixo eléctrico do seu tronco e atira-o acima da sua cabeça e quando o sustém quase que se desfaz no chão. A décima oitava, “MacAbro”, tem um piano forte introduzido por Tóli César Machado e as palmas do público marcam o seu compasso de cântico de guerra, Rui Reininho revela: “Sabes como é que eu sou cá em casa é tudo feito à mão”; “com um arpão/ Confundido sempre com o meu irmão esse grandalhão que lhe sirva de lição”, a marcação do teclado numa nota sustenida verte um sublime detalhe de filme mudo, “mudando de assunto”, o fraseado forte é cada vez mais curto, “cá em casa é tudo feito à mão”; “aproximo-me do meu irmão”; “com um grande facão”, a bateria do Samuel Palito através do bombo relega-a para um universo em que as personagens são marinheiros ébrios no encalço de um horizonte que naturalmente nunca é alcançável (que é acrescido pela métrica teatral dos teclados), e o coro personifica-os: “Lálálálá”; e Rui Reininho é a voz destas consciências turvas: “Mudando de assunto”, “lálálá”, “cá em casa é tudo feito à mão”, “lálálá”, “é então que eu peço atenção”, “lálálá”. Antes da décima oitava, “Santa Combinha”, Rui Reininho abandona o palco e o teclado de Tóli César Machado é grave e repetitivo sobre o qual o do Paulo Borges se consubstancia numa outra repetição aguda e por isso libertaria da esperança, a bateria do Samuel Palitos é conivente com o negrume imposto por Tóli César Machad, surge-- sob as palmas do público, devidamente trajada com o seu fato do Grupo Cantares e Trajes de Manhouce-- a Isabel Silvestre e a guitarra eléctrica do Tiago Maia reinscreve os acordes melodiosos do teclado do Paulo Borges, sobre a melodia a espaços luminosa canta a voz de uma população rural: “Senhora santa Combinha senhora santa Combinha inda vais tu à lareira inda vens tu à lareira inda vens tu à lareiroo”, o violino da Ianina Khmelik Pacheco sobrepõe-se à melodia fúnebre como se fosse a voz de uma alma aparentemente presente, “vinde buscar a mortalha vinde buscar a mortalha/ Vinde buscar a mortalha”; “pulseiroOOO”, e o violino da Ianina Khmelik Pacheco sublinha agudamente a origem da fatalidade, “senhora santa Combinha senhora santa Combinha”; “Chegueiroo”, que insta um apontamento que se estende sobre o negrume dos acordes luminosos dos teclados, “passar ooo”, e o violino transcreve um solo que corta com a melodia que nos encaminha para as trevas e a luz que daí advém é o fim. As palmas não param enquanto Isabel Silvestre discursa: “Boa noite Campo Pequeno hoje não tem tamanho!”; Rui Reininho agradece: “Obrigado minha fada!”, dão as mãos e a cantora exige: “Uma grande salva de palmas para este grupo!”, e decorre uma ovação. A vigésima, “Pronúncia do Norte”, é iniciada pelo teclado do Paulo Borges que dedilha notas lentas e de matiz trágica, Rui Reininho canta: “Há um prenúncio de morte, lá do fundo de onde eu venho/ Os antigos chamam-lhe relho novos riscos são má sorte/ É a pronúncia do norte os trolhas chamam-lhe torpe”, o fraseado do teclado do Paulo Borges sintetiza as notas melodiosas, “hemisfério traga outro forte/ E não estejas triste a bússola eu sei que existe/ E aponta sempre para norte/ Nem guerra nem bairro nem corte/ Canta a pronúncia do norte/ Se há um prenúncio de morte corre o rio para o mar”, as palmas acompanham a entrada em cena do Tóli César Machado que com o seu acordeão simula as ondas do mar e o baixo eléctrico do Jorge Romão confere-lhe um balançar ténue que é manchado pela bateria do Samuel Palitos num ribombar que é um sentido perpétuo das correntes marítimas, e é a vez da Isabel Silvestre cantar: “Não tenho barqueiro nem hei-de remar/ Procuro caminhos novos para andar”; “da geada às pérolas as fontes secaram”, Rui Reininho e Isabel Silvestre: “Corre o rio para o mar e há um prenúncio de morte”, sobrevém o teclado e o acordeão e a bateria marca um compasso crescente, “e as teias que vibram nas janelas esperam um barco parecido com elas”; “e é a pronúncia do norte corre o rio para o mar”, e o fraseado do teclado do Paulo Borges é repetido em crescendo pelos GNR, Rui Reininho e Isabel Silvestre complementam-se: “E as teias que vibram nas janelas esperam um barco parecido com elas/ Não tenho barqueiro nem hei-de remar procuro caminhos novos para andar / È a pronúncia do norte corre o rio para o mar”, e eclode uma ovação quase interminável—os cantores abandonam o palco—e os GNR dão continuidade à canção encerrando-a epicamente com laivos dos blues. Antes da vigésima primeira, “Nova Gente”, Rui Reininho agradece: “À M80 e à RTP que nos ajudou a encher esta casa! Sim senhor! Muito obrigado!”; o ritmo providenciado pelo Samuel Palitos e por Jorge Romão é de baile e o sintetizador acompanha-nos mas numa vertente ainda mais kitsch, a melodia é reminiscente de um universo pop mas afincadamente popular, a guitarra do Tiago Maia sola como se fosse de alguém com limitações técnicas e Rui Reininho movimenta alegremente as suas maracas e canta: “Vivo numa ilha sem sabor tropical/ A fauna é variada a democracia acidental/ Não é de origem elevada difícil de recensear/ É mais que uma ilha é quase continental/ Não está cercada por água mas não faz mal/ Quem a rodeia por vezes é a força policial”, sobre a melodia de baile o sintetizador do Paulo Borges é um fraseado repetitivo que pretende mimetizar as sirenes dos carros da polícia de crianças a brincar na província, “Baby Doc ou Papa Doc nunca vi/ Ou qualquer ditador da América central/ Cá não há candidato à autarquia local/ Só orgulho analfabeto mas com cultural geral/ É tudo a mesma fruta a mesma caldeirada/ Essa gente educada anarquia total/ É tudo a mesma fruta a mesma caldeirada/ É só gente educada Portugal (eleva a voz)”, e os GNR implementam um jogo pop kitsch em que asseguram um quadro de relevante transgressão estética, “vivo numa ilha sem sabor tropical/ Não é de origem vulcânica mas tem lama no Natal/ É mais que uma ilha quase continental/ Não está cercada por água Porrtugal”, e o solo do Paulo Borges remete-a para um universo latino, “compañero”, que se espraia sobre a verve kitsch, e a guitarra eléctrica do Tóli César Machado evidencia-se através do wha wha e o órgão do Paulo Borges remata-a num apontamento blues. A vigésima segunda, “Morte ao Sol”, é iniciada pelo solo da guitarra eléctrica do Tiago Maia fluxo seguido pelo piano do Paulo Borges numa cadência lenta em que as cores que ressaltam são as iluminadas pela lua, “felizmente a noite sai”, responde-lhe o solo curto do Tiago Maia e o piano do Paulo Borges instaura um suspense comensurável, “ainda bem que há névoa por aí”, o fraseado do piano do Paulo Borges sublinha a melodia num intuito dramático, “estou contente se a luz se esvai/ E uma sombra invade este lugar”; “se o amanhã perdido for metamorfose de horror”, e os GNR acrescem à melodia uma contida alegria que prenuncia uma alegoria pop, “as trevas vão demorar, bem contente se a luz se esvai/ E o céu não fecha sobre nós revela ciesta rouca voz/ Se o amanhã perdido for overdoses baby de horror”, enunciam um universo pop em que domina a tragédia imposta pela mortalidade do “eu” que não se eterniza na paisagem erosiva pelo tempo, “directa sim eu declaro morte ao sol”; “directa sim eu declaro morte ao sool”; “ooo”; “lá vem a luz”, que é mimetizada pelo solo épico semi-distorcido do Tiago Maia sobre a cadência do slow-pop dominada pelo piano do Paulo Borges, “se o céu não fecha já sobre nós/ Revela ciesta imagem atroz/ Directa sim eu declaro morte ao sol/ Directa não e a quem o apoiar/ Directa sim eu declaro morte ao sol/ Directa não e a quem o apoiar”, público: “OOOO”, Rui Reininho: “Obrigado capital do império”, e os GNR implementam uma sequência em que domina uma festividade pop, e o cantor abandona o palco a trote num cavalo imaginário. A primeira canção do encore. “Coimbra B”, surgem Tóli César Machado e Tiago Maia, o primeiro senta-se num teclado e as notas são graves e repetitivas e a guitarra eléctrica do segundo é numa agudeza contida, emanam uma frieza outonal, o teclado representa-se numa vertente melodiosa mas introvertida e a guitarra reinscreve a agudeza—no ecrã surgem imagens do mítico concerto dos GNR no Estádio de Alvalade em 1992 onde tocaram para uma multidão composta por quarenta mil pessoas--; Tiago Maia sola sobre a repetição dos acordes do teclado do Tóli César Machado e desfazem-se num clímax virtuoso de tão delicado quanto belo. A vigésima quarta, “Dunas”; o ritmo compassado da bateria do Samuel Palitos traz consigo as palmas da multidão, e a guitarra eléctrica do Tiago Maia sola repetidamente, e o acordeão do Tóli César Machado inscreve uma crescente luminosidade, e Rui Reininho é sedutor ao cantar: “As dunas são como divãs/ Biombos indiscretos de alcatrão sujo/ Rasgados por cactos e hortelãs/ Deitados nas dunas alheios a tudo/ Olhos penetrantes/ E pensamentos lavados”, a melodia é um sortilégio de timbres que se combinam harmoniosamente, “bebemos dos lábios refrescos gelados/ Selamos segredos/ Saltamos rochedos/ Em câmara lenta como na TV/ Palavras a mais na idade dos ´porquê`”, e a luminosidade pop é sinónima de leveza e felicidade, “dunas, como que são divãs/ Quem nos visse deitados cabelos molhados bastante enrolados/ Sacos camas salgados; onde?”, público: “Nas Dunas”, Rui Reininho: “AAh mas roendo maçãs/ A ver garrafas de óleo boiando vazias nas ondas da manhã”, e inscrevem uma textura solar que simultaneamente é lúdica, “bebemos dos lábios, refrescos gelados, onde?”, público: “Nas dunas”, Rui Reinho: “Em câmara lenta como na TV; mas onde?”, público: “Nas dunas”, Rui Reininho agradece a presença o público: “Nas dunas”, e durante o solo do acordeão do Tóli César Machado as palmas eclodem, “patchywari ooo”, e o público à capela: “patchywari ooo”, e os GNR finalizam-na festivamente. A vigésima quinta, “Telephone Pecca”, é iniciada pela guitarra eléctrica do Tóli César Machado, tem um ritmo cadenciado e simultaneamente seco providenciado pelo Samuel Palitos que quando acelera são polvilhados pelo piano do Paulo Borges, e Rui Reininho traduz os seus pensamentos dada: “A sua violeta violenta/ Quando o perigo aumenta/ Se esta voz não cala/ Máquina que...”, conferem-lhe um crescendo festivo que se revela virtualmente trágico, “rasga a garganta sai um insulto imaginário/ Aponta a língua manda um beijo incendiário”, a tensão pop é instituída pela guitarra eléctrica do Tiago Maia intercalada com o solo do piano do Paulo Borges, “nua traiçoeira e impura/ Sempre que fica dura/ Se o medo estala/ Máquina que...”, e o público responde-lhe: “Papappapa”, Rui Reininho: “Quando o telephone pecca”, público: “Papapapa”, Rui Reininho: “Se este telephone toca”; “rasga a garganta sai um insulto imaginário/ Aponta a língua num beijo incendiário”, o crescendo liberta e controla uma agressividade pop, “essa palavra maldita”, e há um tempo sustenido que quase a oblitera da tensão acumulada, “medo voz aflita/ Quando o mundo estala/ Máquina que…”, e na pausa enunciada pelos GNR ressalva a guitarra eléctrica do Tóli César Machado a repetir os acordes da canção numa eloquência pop, reacende-se a bateria do Samuel Palitos associado ao baixo eléctrico do Jorge Romão, e a melodia transporta-se da pop para um crescendo que a catapulta para o psicadelismo. A vigésima sexta é a versão do Roberto Carlos, “Quero que vá tudo pró inferno” (1965), surge o Xavier Andreu para cantar com o Rui Reininho; e são as guitarras do Tiago Maia e do Tóli César Machado que impõem os acordes da canção numa vertente festiva que é corroborada por todos os músicos, Rui Reininho canta: “Do que vale o céu azul e o sol sempre a brilhar/ Se você não vem e eu estou a disparar/ Só tenho você no meu pensamento/ E a sua ausência, é todo meu tormento/ Quero que você me aqueça nesse inverno/ E que tudo mais vá pró inferno”, e a harmónica do Xavier Andreu sublinha o rock kitsch, “de que vale mi vida loca de playboy/ Si me meto em mi coche e me voy”, Rui Reininho: “Eu não aguento mais você longe de mim/ Prefiro até morrer do que viver assim”, o público entoa e Rui Reininho e Xavier Andreu cantam: “Eu quero que você me aqueça neste Inverno/ E que tudo o mais vá pró Inferno”, o público acompanha os GNR que exorbitam a melodia e acentuando-lhe o seu carácter kitsch, ouve-se um solo magistral da harmónica do Xavier Andreu secundado pelo da guitarra eléctrica do Tiago Maia, Rui Reininho prossegue: “Eu não posso mais, você longe de mim/ Prefiro falecer do que viver assim”, “quero que você me aqueça neste inverno/ E que tudo mais vá pró inferno”, “OOO”; e o rock and roll que inscrevem é de natureza libertaria, “me aqueça no trabalho/ E que tudo o mais vá pró inferno”, “OOO”, “e que tudo mais”, “Vá al infierno”. Jorge Romão retira o baixo eléctrico e desloca-se para o limite do palco onde se senta e abraça os Super Fans dos GNR que o aplaudem e acarinham. Para o segundo encore apresentam, “Sub-16”, que encontra nas notas repetidas do sintetizador do Paulo Borges uma infiltração kitsch que associada à bateria do Samuel Palitos e ao baixo eléctrico do Jorge Romão isolam consciência rock e Rui Reininho canta: “E quem causa inveja/ E fuma escondida da mãe?/ Vida tão chata”, sublinhada pelas guitarras eléctricas semi-distorcidas do Tiago Maia e do Tóli César Machado, “onda tão curta/Moda tão fora, sai!!!/Que o raio a parta”, há um crescendo pop/rock, “e puxa pula aí até ao sol”, suspendem a melodia e seguidamente alinham-na no rock, “mas aos 16 só de uma vez tem-se o desgosto de vestir como os DJ's/ E com 16 já falta pouco tempo para fazer 96”, e os sintetizadores do Paulo Borges dão-lhe uma profundidade kitsch, “à volta do quarto nuvem de cabelo em pó/ Pintura de guerra/ Multiplica por quatro/ Beija o teu retrato em pó/ A rádio berra”, e os GNR reincidem no crescendo mas desta feita mais rápido e que se revela rock and roll, “mas aos 16 só de uma vez tens o mau de pagar para ver DJ's/ E com 16 nunca se teve tempo de ler”, a pausa sublinha o nome de um dos livros do Tolkien: “´O Senhor dos Anéis", e sobre a melodia rock o solo do piano do Paulo Borges peja-a com uma festividade blues, “só mais uma vez tem-se o desgosto de vestir como os DJ's/ Aos 16 é de esperar alguém gritar ´Sweet Little Sixteen`”, o coro responde-lhe: “Papapara”, e após a pausa aumentam a escala sonora numa efervescente cadência épica. A canção que encerra as comemorações dos trinta e cinco anos de carreira dos GNR é: “+ Vale Nunca”, que tem um ritmo deliberadamente pop polvilhado pelo teclado infantil do Paulo Borges— surge um grupo de crianças que se instalam no palco com um maestro— e Rui Reininho olha para eles e canta: “Logo logo a nascer um grito surdo que tentam calar”, e sobre um universo sónico que versa a infância, “vais ouvir e ver/ Mais vale nunca/ Nada apetecer/ Mais vale nada/ Nada mais viver/ Mais vale nunca mais crescer”, há uma angulação proposta pelas guitarras eléctricas do Tóli César Machado e Tiago Maia, “cérebro em fuga a dominar/ Génio preguiçoso e letal/ Olha pró que eu faço/ Mais vale nunca/ Nada perceber/ Mais vale nada/ Nunca mais beber/ Mais vale nunca mais crescer”, há um crescendo predominantemente pop e que lhe confere um grau kitsch, “ficas a aprender/ Mais vale nunca/ Mais vale nada/ Mais vale nunca mais crescer”, e sobre a melodia pop a guitarra rock do Tiago Maia insurge-se e prolonga-se durante o crescendo e ainda se destaca o teclado infantil do Paulo Borges, durante a pausa ouvem-se as palmas do público, Rui Reininho apresenta de forma paradoxal o grupo de coristas infantis no meio do qual se encontra Jorge Romão, isto, tendo em conta os versos nucleares da canção: “O nosso futuro!”; e retomam a cadência pop presa a um estágio de desenvolvimento primevo, Rui Reininho: “Vais ouvir e ver”, coro: “Mais vale nunca”, Rui Reininho: “Nada perceber”, coro: “Mais vale nada”; Rui Reininho: “Nada perceber”, coro: “Mais vale nunca mais crescer”, Rui Reininho: “Ficas a aprender”, coro: “Mais vale nunca mais crescer”, Rui Reininho: “Nada perceber”, coro: “Mais vale nada”, Rui Reininho “Nada apetecer”, coro: “Mais vale nunca mais crescer”, Rui Reininho: “Olha para o que eu faço”, coro: “Mais vale nunca”, Rui Reininho: “Nada mais dizer”, coro: “Mais vale nada”, Rui Reininho: “Nada mais querer”, coro: “Mais vale nunca mais crescer”, Rui Reininho: “Agora é a doer”, coro: “Mais vale nada”, Rui Reininho: “Nada mais querer”; desloca-se para junto da Rita Redshoes, Isabel Silvestre e Ianina Khmelik Pacheco que se encontram atrás do coro: “Mais vale nada”, Rui Reininho “Nada mais dizer”, e o coro: “Mais vale nunca mais crescer”. Os aniversariantes (e os convidados) deslocam-se à boca de cena e são agraciados com uma ovação por parte do público, que é sinónima de que a grandeza e o génio criativo dos GNR foram fundamentais para as suas vidas.

GNR, Celebração dos Trinta e Cinco Anos de Carreira, 12 de Novembro